Em 1963,o Estado de Minas Gerais criou a COMAG (Companhia Mineira de Água e Esgoto) visando fornecer os serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário aos municípios mineiros.

Com a instituição do Sistema Financeiro do Saneamento e do Plano Nacional de Saneamento (PLANASA), foram criadas as Companhias Estaduais de Saneamento Básico. Nesse tempo, o Departamento Municipal de Águas e Esgoto (DEMAE), responsável pelos serviços de saneamento de Belo Horizonte, foi incorporado pela COMAG. Dessa forma, com incorporações municipais e crescimento vertiginoso, a então COMAG acabou por, em 1974, alterar o nome social para Companhia de Saneamento de Minas Gerais – COPASA MG.

Principais Marcos

2000

Alteração da Lei Estadual nº 6084/1973 (lei de criação da Companhia), ampliando as competências da Companhia e permitindo atuar também na coleta, reciclagem, tratamento e disposição final do lixo urbano, doméstico e industrial. Em complemento, foram autorizadas parcerias com empresas nacionais e estrangeiras, além da possibilidade de realização de convênios ou contratos com entes da União, Estados e Municípios ou entidades da administração indireta de qualquer dos níveis de governo.

2003

Abertura de Capital.

2006

Realização do IPO (Oferta Pública Inicial de Ações), ingressando diretamente no Novo Mercado da B3 – Brasil, Bolsa, Balcão, segmento que exige maior compromisso com regras de transparência e governança corporativa.

2007

Criação de três subsidiárias integrais: COPANOR (COPASA Serviços de Saneamento Integrado do Norte e Nordeste de Minas Gerais), COPASA Águas Minerais de Minas e COPASA Serviços de Irrigação.

Aprovação da Lei Federal nº 11.445/2007 (Lei do Saneamento), que estabeleceu novas regras e diretrizes para a regulação, fiscalização, planejamento e prestação de serviços.

2008

Realização de oferta secundária de ações, na qual o município de Belo Horizonte, segundo maior acionista até então, aliena a totalidade das ações que possuía. O Estado de Minas Gerais, que continuaria como acionista controlador, vende parte das ações que detinha.

2009

Criação da Agência Reguladora de Serviços de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais (ARSAE-MG), por meio da Lei Estadual nº 18.309/2009, tendo como objetivos regulamentar e fiscalizar as atividades de saneamento, além de determinar a estrutura tarifária.

2011

Estabelecimento da metodologia para o cálculo de reajuste tarifário dos serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário sujeitos à regulação pela ARSAE-MG, por meio da Resolução nº 03/2011.

2015

Reestruturação organizacional, com redução no número de Diretorias, de cargos comissionados e de empregados.

2016

Encerramento das atividades das subsidiárias COPASA Serviços de Irrigação e da COPASA Águas Minerais de Minas, cujas finalidades não guardavam sintonia com a Estratégia Corporativa da Companhia.

2017

Conclusão, pela Agência Reguladora, da primeira revisão tarifária da Companhia.

Assinatura da primeira concessão para operação de aterro sanitário, junto ao município de Varginha, cabendo à Copasa o recebimento, tratamento e disposição final dos resíduos.

2018

Aprimoramento da Governança Corporativa, com a criação da Superintendência de Conformidade e Riscos, implantação do Comitê de Auditoria Estatutário e revisão/instituição de Políticas de Governança. Além disso, ocorreu a divulgação, pela primeira vez, do Relatório Anual de Atividades da Auditoria Interna (RAINT) e da Carta de Anual de Governança e de Políticas Públicas.

2019

Início de profundas transformações na Companhia, de modo a prepará-la para enfrentar o novo ambiente que se descortina para o setor de saneamento. Houve ampla reestruturação da empresa, revisão do planejamento estratégico e readequação da estrutura organizacional, com redução no número máximo de diretorias de 8 (oito) para 5 (cinco) e de quase 20%  das unidades organizacionais. Foi criada a Diretoria de Relacionamento e Mercado para dar mais eficiência às ações de relacionamento com clientes, sejam consumidores ou poder concedente, bem como para organizar melhor o processo de prospecção e captação de oportunidade de negócios.

Alinhados ao Plano de Integridade, foram criadas e implementadas as políticas de Controle Interno, Brindes e Presentes, Conflito de Interesses, Governança Corporativa e revisada a Política de Transações com Partes Relacionadas.