Linha de Financiamentos e Indexadores

A seguir as linhas de financiamento, com as respectivas taxas de juros, vencimentos e saldos devedores em dezembro de 2019:

Endividamento
Linhas de Financiamento
Taxa Fixa (Anual) Taxa Variável (Anual) Início do Contrato Término Contrato Saldo Devedor
(R$ milhões)
%
Em Moeda Nacional:
Recursos FGTS* 7,64% TR * 16.08.2042 667,2 19,9%
Finame 3,97% 28.03.2011 15.01.2025 50,1 1,5%
BNDES Empréstimo 7,10% URTJLP 15.01.2008 15.05.2025 260,4 7,8%
BNDES/Debêntures 4ª Emissão
1ª Série 7,12% TJLP 15.07.2010 15.07.2022 66,5 2,0%
2ª Série 9,05% IPCA 15.07.2010 15.08.2022 129,3 3,9%
3ª Série 7,12% URTJLP 15.07.2010 15.07.2022 88 2,6%
Caixa/Debêntures 5ª Emissão 9,00% TR 20.09.2011 01.09.2031 206,5 6,2%
Debêntures de Mercado – 7ª Emissão
2ª Série 7,39% IPCA 15.04.2014 15.01.2024 70 2,1%
BNDES/Debêntures 8ª Emissão
1ª Série 7,44% URTJLP 15.06.2015 15.06.2028 67,2 2,0%
2ª Série 8,18% IPCA 15.06.2015 15.06.2028 32,8 1,0%
BNDES/Debêntures 11ª Emissão
1ª Série 8,19% URTJLP 15.01.2017 15.01.2031 109,4 3,3%
2ª Série 8,85% IPCA 15.01.2017 15.01.2031 50,6 1,5%
Debêntures de Mercado – 12ª Emissão
1ª Série 5,06% IPCA 08.02.2018 15.01.2024 204,7 6,1%
2ª Série 5,27% IPCA 08.02.2018 15.01.2026 88,1 2,6%
Debêntures de Mercado – 13ª Emissão
1ª Série 4,70% DI 15.07.2018 15.07.2021 95,1 2,8%
2ª Série 4,84% DI 15.07.2018 15.07.2023 555 16,6%
3ª Série 6,50% IPCA 15.07.2018 15.07.2025 72,3 2,2%
Debêntures de Mercado – 14ª Emissão
1ª Série 4,67% DI 15.06.2019 15.06.2024 56,6 1,7%
2ª Série 4,30% IPCA 15.06.2019 15.06.2026 144 4,3%
Outras Obrigações:
Libertas (Previdência Complementar) 5,84% INPC 08.01.2001 08.11.2021 30 0,9%
Em Moeda Estrangeira:
Banco do Brasil*** 5,11% Libor 05.08.1998 10.04.2024 102,2 3,1%
Kfw 2,07% 29.11.2011 20.12.2023 201,5 6,0%
Total Dívida Curto + Longo Prazo 3.347,60 100,0%
Custo de Captação de Valores Mobiliários 7,3
Total Dívida Curto + Longo Prazo (Contábil) 3.340,20
Caixa e Equivalentes de Caixa 521,3
Dívida Líquida 2.818,90

* Recursos FGTS: Caixa Econômica Federal.

* Diversas datas.

*** Dívida originalmente contraída de instituições financeiras externas. Foi inserida em acordo entre o governo brasileiro e a comunidade financeira internacional, para reestruturação da dívida externa do setor público brasileiro com os credores privados internacionais. Nos termos desse acordo, aprovado pelo Senado Federal por meio da Resolução nº 98 de 29.12.1992, a dívida foi trocada por bônus emitidos pela União, que se tornou devedora perante os credores externos. Em substituição às parcelas de principal, foram emitidos vários tipos de bônus, sob taxas de juros condizentes com aquelas usuais do mercado financeiro internacional.

Para acompanhar a evolução dos empréstimos e financiamentos ao longo do exercício social, favor acessar os Releases de Resultados trimestrais.